Fin Adviser

Cobertura

About Image

Vida de um Gigante em debate no CIAM

A Embaixada Bolivariana da Venezuela na Republica de Angola realiza uma conferência de imprensa no Auditório Aníbal de Melo, nesta quinta-feira as 10:00 horas, em alusão ao 7º aniversário do desaparecimento físico do Comandante Hugo Chávez líder internos da revolução Bolivariana.

Dia 9 às 10:00 horas, no mesmo local decorrerá uma exposição fotográfica intitulada “A VIDA DE UM GIGANTE” com os meios necessários para retratar a trajetória politica do comandante Venezuelano.

O objetivo é honrar e enaltecer uma vez mais a memória e o legado do  líder histórico, Hugo Chávez inserido no âmbito do 7º Aniversario do seu desaparecimento físico. E para concretização do evento a organização conta com apoio das Embaixadas da República Democrática de São Tome e Príncipe e da República da Zâmbia.

About Image

Governo de Angola apresenta nova Logomarca Institucional no CIAM

O Governo Angolano realiza nesta sexta feira as 10 horas, apresentação da Nova Logomarca Institucional no Centro de Imprensa Aníbal de Melo (CIAM).

O evento que decorrerá no auditório Aníbal de Melo serve para apresentar a nova Logomarca Institucional elaborada pelo governo no âmbito das reformas vigente no país.

A logomarca é uma representação gráfico-visual do nome de uma instituição, empresa ou marca, apontando a construir uma identidade, diferenciar a instituição das outras concorrentes e conceber conhecimento por parte do publico.

A mesma é formada por um símbolo (marca) e um logotipo (tipografias ou letras) que devem atender aos objectivos da instituição  e atrair a atenção do seu publico.

About Image

Sonangol

Conferência de Imprensa alusiva aos 44 anos  da petrolífera, realizada dia 27 de Fevereiro de 2020,

Sonangol quer atingir 10 por cento da produção nacional

Luanda - A Sonangol pretende até 2027 ser uma empresa referência a nível do continente africano e deter 10 por cento da produção nacional, passando dos actuais 27 mil para 120 mil barris/dia, afirmou o seu presidente do conselho de administração, Sebastião Martins.

Actualmente a petrolífera nacional detém uma quota de produção de dois por cento do total da produção do país, estimada em 1,4 milhões de barris/dia, mas a nova gestão pretende, com base no Plano Estratégico de Exploração e Produção 2020-2027, alterar o quadro.

Para o alcance desta meta, a Sonangol tem em carteira a criação da SonaDrill, uma JV participada para operações de sondagem, sendo 50% dos interesses detidos pela Sonangol e 50% pela Seadrill.

O plano contempla também a entrada em operação do navio sonda Sonangol Libongos para o Bloco 15/06, assim como está em negociação a contratação do navio sonda Sonangol Quenguela, bem como a transferência da função de operador do Bloco 5/06 para a Sonangol P&P.

Vão contribuir igualmente para o aumento da produção da Sonangol, as descobertas de petróleo no Bloco 15/06 (SNL 36,8%), prospectos Agogo, Ndungu, e Agidibo, com potencial total estimado em 1,3 mil milhões de barris, bem como a assinatura de memorandos com a concessionária, Chevron e outras empresas para estudo e avaliação técnica conjunta dos Blocos 33 e 34, visando relançar a actividade de exploração, a sul do rio Congo.

Enumerou também a negociação de Acordos de Operações Conjuntas com a ESSO, para exploração dos Blocos30, 44 e 45, na Bacia do Namibe e os contratos assinados de serviços de risco com a ENI, para os blocos 1/14 e Cabinda Centro.

A entrada em produção do Kaombo Sul (Bloco 32- SNL 30%), com uma capacidadede produção de 115 mil barris/dia e a integração no grupo empreiteiro do Bloco 15, com10% de interesses participativos, também poderão contribuir para que a empresa atinja as metas contidas no plano.

Também está em conclusão as negociações para entrada nos Blocos 17 (5%) e 18 (16,28%), reforçando a posição de maior investidor do sector, com presença em todos os blocos em actividade.

Na mesma senda, a empresa tem um acordo com a TOTAL para desenvolvimento dos Blocos 21/09 e 20/11, tendo esta adquirido respectivamente, 80% e 50% dos interesses participativos detidos nas referidas concessões e acordado operação conjunta após 3 anos de produção.